Como ajudar a Amazônia? Conheça a economia da floresta em pé!

  • Como ajudar a Amazônia? Conheça a economia da floresta em pé!

    Já há algum tempo a Amazônia vem sendo o centro das atenções em debates sobre o futuro do clima. Além de sua rica sociobiodiversidade, em grande parte ainda desconhecida e inexplorada, essa floresta tem um papel fundamental na regulação da temperatura do planeta. Como aponta uma reportagem da National Geographic (https://www.nationalgeographicbrasil.com/meio-ambiente/2019/09/como-economia-de-floresta-em-pe-pode-salvar-amazonia-e-o-planeta ), a Amazônia armazena algo entre 150 e 200 bilhões de toneladas de carbono. Caso não seja protegida, a floresta, que em pé é um grande sumidouro de gases estufa, pode vir a se tornar um grande emissor destes mesmos elementos, aumentando o aquecimento global agravando as consequências da crise climática.

   Manter a floresta em pé significa apoiar os povos indígenas e ribeirinhos, seus verdadeiros guardiões que, em seus modos de vida apresentam saberes e práticas que permitem viver da mata e na mata de forma integrada e sustentável. Como demonstra o estudo da ONU (https://www.fao.org/americas/noticias/ver/pt/c/1381044/), as áreas indígenas e as Reservas extrativistas são aquelas que melhor conseguem barrar o avanço do desmatamento, não somente por monitorarem o território impedindo a entrada de invasores, mas também por oferecerem formas de manejo não destrutivo dos produtos florestais. Através da ação integrada de associações de povos indígenas e ribeirinhos, unidos pela luta de preservação da floresta, instituições como o Instituto Sócio Ambiental e o IMAFLORA, vêm estimulando iniciativas, como a Rede de Cantinas e a rede Origens Brasil, que atuam para o estímulo, desenvolvimento e rastreamento da cadeia produtiva dos produtos florestais. Assim, a economia da floresta em pé é uma forma de transformar a floresta e seus frutos em fonte de renda aos povos que nela vivem, sem que estes precisem aderir a modelos de negócio predatórios e defasados, que dependam do desmatamento e da invasão de áreas protegidas para sua realização.


    Nos últimos anos, apesar de todas as dificuldades que o Brasil vem enfrentando no que se refere às pautas ambientais, a economia da floresta em pé vem se consolidando como importante motor econômico das reservas extrativistas do Riozinho do Anfrísio, do Iriri e do Xingu. 

   Desde 2019 a Prema Bio Aromas tem a alegria de ser uma das empresas que estimula o desenvolvimento da economia da floresta, fazendo com que você possa ajudar essa iniciativa ao usar nossos produtos. Através de um trabalho em conjunto com o ISA, estabelecemos uma parceria com a Rede de Cantinas da Terra do Meio, região do Médio Rio Xingu (PA), onde são produzidos os óleos de babaçu e o de copaíba usados em nossas formulações.

   Entender como um shampoo que contém uma dessas matérias primas pode ajudar na luta pela preservação de um dos biomas mais importantes do planeta pode parecer um pouco abstrato. Por isso vamos tentar explicar algumas ideias e situações importantes, como a Rede de Cantinas, a Rede Origens Brasil e o que são territórios de Diversidade Ambiental para tentar mostrar o quão presente toda essa luta está presente nos produtos que você usa. Acompanhe os próximos textos do blog e saiba mais!

*Texto de autoria de Victor Hugo Oliveira Silva, Doutorando em Sociologia e Mestre em Antropologia Social pela Universidade Federal do Paraná.

Comentários

Gostou? Classifique!

Escrever comentário

Não use tags HTML!

Newsletter

×
Cadastre-se para receber nossa newsletter e receba em seu e-mail promoções, cupons de desconto exclusivos, notícias sobre ecologia e novidades!

* E-mail:

* Nome: